Espiritualidade

Como está a tua saúde emocional?

O que te vem à mente quando ouves falar sobre "saúde emocional"?

A maioria das pessoas quando reflete sobre este tema pensa, automaticamente, nos estados negativos da mente, como a depressão, ansiedade, ira, tristeza, ódio, ciúme, inveja, medo e trauma, e como a prática de atividades relaxantes, como viajar, ir até à praia, às compras, fazer sexo, de entre outras, são a chave que permite atenuar todos estes sintomas.

É comumente aceite que todas estas emoções afetam o coração, o sistema imunitário, a digestão, a produção de hormonas, etc.

Mas quantos sabem ou aprenderam a reconhecer estas emoções dentro de si e a lidar com elas? Na escola não aprendemos isto. Quantos sabem ou se aperceberam o que é que gera estes sintomas e que efeitos têm no seu corpo? Estes sintomas surgem num estado de mente consciente ou inconsciente?

Segundo a psicologia, o ser humano traz ao nascer algumas emoções básicas como o medo, a tristeza, a raiva e a alegria. Todas elas têm uma função importante nas nossas vidas, principalmente no que diz respeito à sobrevivência da espécie*.

O crescimento amplia o campo de atuação destas emoções.

E são os pensamentos que escolhemos ter que alimentam as emoções que manifestamos. Por isso torna-se importante conhecermos a qualidade dos pensamentos que ocupam a nossa cabeça, como se fossem pipocas ao lume. Só assim ficaremos conscientes das emoções que geram e do impacto que têm no nosso corpo, comportamento e relacionamentos.

Porque os consideramos importantes, os pensamentos perturbam-nos e desorientam-nos.

A maior parte das pessoas ainda se identifica totalmente com as emoções e os pensamentos compulsivos e incessantes (a maior parte repetitivos e inúteis) que inundam a sua cabeça.

Quando se lhes aponta para a existência da voz dentro da sua cabeça e que nunca para de falar, negam-na ou respondem irritadas “qual voz”! Mas é precisamente essa voz que existe dentro da cabeça de cada um que conta a história em que o corpo acredita e à qual reage.

Perceber o estado da nossa saúde emocional é, pois, perceber a relação que existe entre o pensamento, a emoção, e a reação do corpo. Este é um processo que nos permite compreender quem realmente somos.

Por exemplo: a ansiedade, o mal-estar, a inquietação, o tédio, correspondem a pensamentos de uma necessidade por satisfazer; o ressentimento, corresponde a pensamentos de queixume, crítica, e de rotulagem mental das pessoas; A mágoa corresponde a pensamentos de um estado permanente do contra, relacionada com um acontecimento que ocorreu no passado muitas vezes distante. E assim por diante!….

Perceber quem realmente somos nada tem a ver com a adoção de um conjunto de ideias, crenças religiosas ou espirituais. É termos a consciência de que é aquilo que se pensa que, em larga medida, cria as emoções que se sente.

A saúde emocional é muito mais do que evitar ou superar ansiedades mentais e eventuais problemas de saúde — trata-se de criar e sustentar, de forma consciente, uma atitude saudável, ser livre na escolha das respostas a dar a uma determinada situação, e expressar as emoções de forma adequada.


São práticas de saúde emocional, o reconhecimento de como seus pensamentos influenciam as emoções; cultivar pensamentos positivos; praticar a auto compaixão; praticar a aceitação, e permitir-se expressar uma série completa de emoções.

 

Fontes:

Takingcharge.csh.umn.edu

 *Psicologado.com

Livro: “Um novo mundo” de Eckhart Tolle, Editora Pergaminho

 

Relacionados:

A importância das emoções na prevenção da doença

http://www.postal.pt/2017/04/a-importancia-das-emocoes-na-prevencao-da-doenca/

 

 

 

Deixar uma resposta